Ir para o conteúdo principal

Narrador deixa crítica à postura de Renato na volta ao Grêmio: “Deve imaginar ser o presidente”

Lucas Uebel/Grêmio

A postura de Renato Portaluppi em criticar a logística do Grêmio para a viagem ao Maranhão, palco do jogo contra o Sampaio Corrêa sexta-feira que vem, gerou questionamento do narrador da Rádio Gaúcha, Pedro Ernesto Denardin. Para o comunicador, Renato mostra que se acha o presidente do clube com esse tipo de comportamento.

+ Entenda o que desagradou Renato na logística do Grêmio para enfrentar o Sampaio Corrêa

“Quando Renato Portaluppi demite médicos, se intromete em assuntos burocráticos, se rebela contra a logística do clube em suas viagens e faz críticas, ele deve imaginar que é presidente do Grêmio. Os dirigentes deram muito poder ao treinador. Penso que ele deve se restringir a treinar o time, administrar os egos do vestiário, o que ele faz muito bem. Renato queria voo charter de volta da cidade de São Luís, no Maranhão, e criticou publicamente os que cuidam disso. Sequer teve o cuidado de tratar disto dentro do ambiente do clube. Não é a forma mais correta”, disparou Pedro Ernesto Denardin, antes de acrescentar:

“O Grêmio não tem mais dinheiro para fretar aviões. E a logística foi muito bem feita. Termina o jogo, vem a janta e, logo depois o embarque até Campinas. Duas horas entre um voo e outro. Por volta das 9h manhã, os jogadores estarão em casa, tendo atravessado o país continental. Tem sábado (1º) para dormir, domingo (2) e segunda (3) para treinamentos leves, e o jogo na terça (4). Tudo muito fácil”, finalizou Pedro Ernesto.

Renato desaprovou a logística do Grêmio para enfrentar o Sampaio Corrêa

Renato, na coletiva de imprensa depois da vitória do Grêmio de 3×0 sobre o Sport, disse as seguintes palavras sobre a logística da outra semana:

“A logística já estava pronta. E eu não gostei. Mas não tem como mudar. Vamos ficar 10 dias sem jogar, mas na terça temos um jogo decisivo em casa. Pensei em queimar os cartões, limpar esses jogadores pendurados, porque temos uma viagem longa, a logística nada boa, e logo em seguida o CSA. De repente levo o grupo, pela logística canso ou perco um jogador importante para a volta, daqui a pouco estou com meio time e cansado”, explicou o treinador na terça-feira.

Voltar para o topo