Ir para o conteúdo principal
Futfanatics Gremistas

Grêmio e Inter aderem campanha de repúdio contra alteração na ‘lei Pelé’

Grêmio e Internacional sem unem para repudiar alteração na ‘Lei Pelé’. Uma nota foi divulgada pelo Internacional após a partida contra o Londrina, quando o time colorado entrou em campo com uma faixa preta no braço. A assessoria do Inter divulgou uma nota explicando a situação.

[bn]2[/bn]
Os atletas de todas as divisões vão entrar com uma faixa preta hoje no braço. Segue o motivo:

Estão propondo uma alteração na lei Pelé que é absurda, inaceitável. Protestamos contra essa iniciativa e lutaremos pra que ela fracasse. Nós, que temos a chance de jogar nos principais clubes do futebol brasileiro, defenderemos até o fim os direitos dos jogadores que não tem voz, principais prejudicados nessa história.

Como é possível permitir ou imaginar que se um atleta quiser sair do clube, ele deve pagar 2000 vezes o seu próprio salário, mas se o clube quiser mandar o atleta embora, ele poderá pagar apenas 10% do restante do contrato?

Isso não existe em lugar nenhum do mundo. EM NENHUM LUGAR DO MUNDO.

[bn]1[/bn]
Quem propôs isso esquece completamente que a realidade dos jogadores de futebol no Brasil nada tem a ver com a realidade do Neymar, do Ronaldinho ou do Kaka. A própria CBF apontou que 97% da nossa categoria ganha até 5mil reais por mês. Pior, 85% da nossa categoria ganha apenas mil reais por mês. Eu disse 1000 reais por mês. É menos do que a média do salário dos ascensoristas, dos catadores de material reciclável, dos garçons, etc… não é comparar, é mostrar que nossa atividade é tão comum quanto a de qualquer trabalhador e por isso requer estabilidade e justiça.

A maior parte dos jogadores no Brasil fica desempregado ao fim dos estaduais. Eles têm apenas 4 meses de emprego por ano. A maior parte deles não recebe em dia. Ou seja, ser jogador de futebol no Brasil é uma profissão de altíssimo risco, de vulnerabilidade. E ainda querem nos enfiar uma proposta que expõe ainda mais a nossa categoria?

Não aceitaremos isso de forma alguma. Nós, que temos a chance de jogar no primeiro escalão do futebol brasileiro lutaremos até o fim pelos direitos dos jogadores que sequer são ouvidos ou considerados.

Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol


Veja mais

Comentários