Ir para o conteúdo principal
Futfanatics Gremistas

Ministério Público veta acordo entre Grêmio e OAS que encaminharia compra da Arena

Novo problema em meio as discussões para a compra da Arena frustra a diretoria.

Arena do Grêmio — Divulgação / Grêmio FBPA

O Grêmio recebeu hoje a recusa do Ministério Público do RS referente a oferta de acordo do clube com a OAS para as obras do entorno da Arena. O aval do órgão governamental gaúcho era fundamental para o andamento da compra da gestão do estádio e o não que foi proferido frustra novamente o objetivo gremista de comandar integralmente a sua casa.

O Ministério Público utiliza três argumentos para justificar a recusa do acordo entre as partes:

  1. A ideia apontada para a divisão da atual empresa “Arena Portoalegrense”, onde o Grêmio ficaria com a parte responsável pelo administração do estádio e a OAS com a segunda metade, responsável pelas obras no bairro Humaitá. Contudo, na visão das autoridades, a credibilidade de um processo grandioso como o discutido não pode ser colocada em uma empresa que sequer foi criada e que não possui base sólida, muito menos associados.
  2. O responsável pelo lado financeiro das obras na teoria seria o Grêmio, mas a execução seria da OAS. O que preocupa o MP é uma possível variação de valores projetados, algo comum em grandes construções, e a possibilidade do clube não desejar dar continuidade ao compromisso firmado. Atualmente, a previsão orçamentária para as melhorias do entorno da Arena está na casa dos R$37 milhões.
  3. Para certificar o compromisso das partes, o Grêmio estipulou como garantias financeiras do acordo o capital referente ao seu quadro social e as lojas do clube. Entretanto, as autoridades levantaram a preocupação com as manifestações públicas dos dirigentes gremistas quanto o impacto da pandemia nestas áreas. O Grêmio admitiu que terá prejuízos de R$25 milhões em 2020 por conta da crise.

Com base nesses pilares de argumentos sustentados em um documento enviado aos interessados, o Ministério Público do Rio Grande do Sul travou o interesse tricolor. Segundo dirigentes consultados pela reportagem do Gremistas.net, a medida é um retrocesso grande nas tratativas e o desânimo do clube ameaça a continuidade do desejo de compra da Arena.

O Ministério Público do Estado entra como parte interessada no acordo por conta dos riscos que uma obra do porte discutido no Humaitá apresenta para a cidade. O temor é que Grêmio e OAS iniciem as melhorias, mas não cumpram com os seus deveres. Nesse caso, a prefeitura de Porto Alegre se veria em posição de pressão para concluir as reformas com os seus próprios recursos, já destinados para outras áreas de maior necessidade.

Veja mais em Arena do Grêmio.

Veja mais

Comentários