Ir para o conteúdo principal
Futfanatics

Nada mais apaga essa história: Como o melhor zagueiro do mundo veio parar no Grêmio

Texto de Igor Muller

É muito fácil falar de zagueiros no Grêmio. Temos um roll, desde o homem que parou Pelé, chamado Airton Pavilhão, aos que levantaram as maiores taças e os que fizeram história por ser ídolo do tricolor e do nosso maior rival.

Mas um só zagueiro conseguiu acabar com  tudo isso: Pedro Tonon Geromel.

Certa vez, Rui Costa, ex diretor executivo do Grêmio, estava lendo uma revista que falava sobre o campeonato alemão, na qual dizia sobre um zagueiro brasileiro que jogava no Colônia. Era mais um jovem que tinha saído muito cedo do Brasil, das categorias de base do Palmeiras mais precisamente. O primeiro destino tinha sido um clube muito pequeno de Portugal, chamado Chaves. O nome do atleta  ficou na cabeça do dirigente. 

Em 2013 fez uma consulta, na qual dizia que o rapaz estava no Mallorca e já tinha sido sondado pelo Real Madrid muito antes, lá atrás, para compor o time B. Única coisa que não fechou foi a janela, no qual o último dia de transações fez com que não fechasse a negociação, pois a burocracia não iria permitir que chegassem os papeis a tempo. Tinha sido eleito o melhor jogador da sua posição do Campeonato Português  2007/2008. Depois tinha se transferido para o Colônia, no qual  não teve uma sequência tão boa quanto em Portugal, foi eleito o melhor zagueiro do campeonato por duas vezes seguidas, mas depois teve oscilações pelo clube, que também fazia apenas atuações medianas na Bundesliga. Em 2012, ano em que o Colônia foi rebaixado, Geromel não tinha espaço na equipe e acabou sendo cedido por empréstimo.

Foi para o Espanha. Em 23 de agosto de 2012 Geromel é anunciado como novo reforço do Mallorca, vindo por empréstimo. No clube espanhol permaneceu até dezembro de 2013. Teve boas atuações, mas não conseguiu se manter como titular. Pela inconstância o contrato de empréstimo foi rescindido antes do prazo. Alguns analistas diziam que o jogador era horrível. Um zagueiro que Messi e Cristiano Ronaldo faziam festa, por ser um 'mongolão', era assim a análise. 

Aí que vem a cartada…

Em uma reunião no final de 2013, Fábio Koff e sua diretoria se reunem, pelo fato de ter que montar um time para a Libertadores, mas não ter dinheiro. Só no ano de 2013 o clube tinha investido muito no grupo de jogadores, mas não tinha dado nenhum resultado. Era hora de ser criativo. 

Foi aí que Rui Costa disse ao presidente da época, o nome de alguns jogadores que poderiam servir para a disputa da Libertadores em 2014. Um deles era um zagueiro, que ele tinha tentado contratação no ano anterior, mas depois tinha desistido. Koff olha os clubes aonde jogou o atleta e diz que iria ligar para um velho amigo, que estava treinando a seleção brasileira naquele momento, chamado Luiz Felipe Scolari. O jogador tinha se destacado, em Portugal, quando Felipão se treinava a seleção do país. Na ligação, o treinador diz: '' Um ótimo zagueiro. Se destacou muito em Portugal. Últimamente anda apagado na Europa e por isso eu não posso convocá-lo, pois anda muito mal e a idade complica. Mas eu indico sim.''

Então Rui Costa liga para o Mallorca, diz que não tem dinheiro e que a ideia era um empréstimo com a opção de compra no futuro. O clube espanhol logo liberou o jogador, que foi anunciado no dia 24/12/2013. Muito criticado, com um certo grau de incerteza e com críticas no início. 

Foi um presente de natal para a torcida tricolor. E um presente que temos que agradecer a Deus. Não é só véspera de natal, é o aniversário de São Geromel no tricolor!
 


 



[leia]1[/leia]

Veja mais em Sem categoria.

Comentários