Ir para o conteúdo principal

“No momento de depressão e drogas, poucos do futebol me ligaram”, revela Jardel

Atacante falou também sobre o problema dos pais com alcoolismo

O atacante Jardel, ídolo do Grêmio por ser figura importantes na conquista dos títulos da Libertadores de 95 e Recopa de 96, concedeu entrevista e falou sobre a pior fase de sua vida.

Em entrevista aos jornalistas João Carlos Albuquerque e Rodrigo Viana para o programa Os Canalhas o atacante revelou não ter muitas amizades no meio do futebol.

O ex-jogador garantiu que tem respeito por onde passa no meio do futebol, tanto que é muito bem recebido em Portugal, tanto pelo Porto quanto pelo Sporting, onde atuou.

“Eu tenho respeito, onde eu quero entrar, eu entro, qualquer clube do mundo, por isso que eu resolvi agenciar, resolvi captar, mas voltando ao assunto do momento da minha depressão, do uso das drogas, aquilo tudo, poucas pessoas me ligaram, do futebol, muito poucos”, revelou Jardel.

Pais com o mesmo problema

Em certo momento da entrevista, Jardel revelou o problema dos pais com alcoolismo: “Meu pai perdeu tudo, justamente por causa do mesmo que eu, bebida, farra, essas coisas, e morreu com 42 anos com um infarto. E tenho minha mãe internada por álcool também, eu coloquei ela três meses na clínica, seis meses. Ela voltou, no outro dia estava começando a beber de novo cedo, aí eu internei de novo.”

Jardel é uma figura importantíssima na história do Grêmio, vestindo a camisa tricolor por 91 vezes e marcando 81 gols. Conquistou dois campeonatos Gaúchos, uma Libertadores e uma Recopa.

Comentários