Ir para o conteúdo principal

Herói improvável em 2006, Pedro Júnior recorda façanha em Gre-Nal: ‘Lembrado até hoje’

O favoritismo era todo do Inter. Vice-campeão brasileiro do ano anterior e com a base do time que ganharia a Libertadores e o Mundial nos meses seguintes, o colorado chegou à final do Gauchão de 2006 com imensa supremacia diante de um Grêmio em reformulação, então campeão da Série B e com uma série de jogadores ainda desconhecidos.
[bn]50[/bn]
Dentro desse cenário, o 0x0 no Olímpico no jogo de ida da final do estadual ampliava ainda mais as chances de título vermelho. Na volta, no Beira-Rio, Fernandão abriu o placar no segundo tempo e deixou o Inter perto da taça. Mas a conquista acabou sendo tricolor graças a um herói improvável. Pedro Júnior, meio de cabeça, meio de pescoço, garantiu o 1×1 e até hoje é lembrado pela façanha.

"Muito bom ser campeão por uma equipe como o Grêmio como no estadual em 2006. O Inter, na época, foi campeão mundial e da Libertadores, então somos lembrados até hoje”, revelou o jogador do japonês Kashima Antlers, em entrevista à Rádio Gre-Nal, nesta quarta.

Mesmo do outro lado do planeta, Pedro revela que acompanha o ex-clube sempre que possível. E tem uma opinião bem clara: é o Grêmio que joga o futebol mais bonito do país desde a temporada passada.

"Para mim, o Grêmio é o time que joga mais bonito no Brasil. Tudo isso é pelo trabalho do Renato Gaúcho, que sabe utilizar todos da melhor maneira. O Grêmio é bem entrosado, já tem uma confiança. A confiança vale muito", acrescentou.
[bn]51[/bn]
Com Pedro Júnior certamente na torcida, ainda que no Japão, o Grêmio volta a campo na noite desta quarta-feira. A partir de 21h45, fará o segundo jogo das quartas de final do Gauchão contra o Inter, no Beira-Rio. No primeiro jogo deu tricolor, por 3×0.

Voltar para o topo