Ir para o conteúdo principal
Futfanatics

Roger Flores rasga elogios ao Grêmio e à torcida e explica saída conturbada em 2008

O ex-jogador Roger Flores, que teve passagem marcante pelo Grêmio em 2008, relembrou em entrevista ao canal Desimpedidos sua passagem pelo Tricolor. O meia conta que foi no Grêmio, após passagens por Flamengo e Corinthians, que teve o grande "salto" em sua carreira.

— Graças a Deus que apareceu o Grêmio! Foi uma simbiose (ligação) imediata. Joguei pra c*r*l*o, virei ídolo rápido. O torcedor me amava, eu não podia andar em Porto Alegre – destacou.

Na temporada de 2008, com Roger como o grande jogador do time, o Grêmio liderou durante grande parte o Campeonato Brasileiro, chegou a abrir 10 pontos de vantagem na liderança. Foi então que Roger recebeu uma proposta do Qatar SC, uma oferta irrecusável segundo ele, que também revelou uma multa rescisória no valor de 150 mil reais exigida pelo Grêmio para caso de insucesso e novas lesões.

— Apareceu uma proposta do Catar. Fui no presidente do Grêmio (Paulo Odone na época) e disse: "Olha, tenho essa proposta aqui", e ele falou: "e aí?" E eu disse: "e aí que eu não quero ir, mas quero fazer um negócio com você. Faltam menos de 6 meses para o término do meu contrato e quero renovar por um contrato de 4 anos. Não quero aumento, mas quero que você assuma o meu contrato inteiro. A gente rasga o contrato que temos com o Corinthians e fazemos um contrato com o Grêmio de 4 anos". Aí ele (presidente do Grêmio) disse: "Eu não posso fazer isso agora". […] Para o Grêmio estava confortável pagar apenas uma parte do meu salário (o Corinthians pagava a outra metade). Mas ele (presidente do Grêmio) alegou que faria um novo contrato comigo ao fim da temporada: "Roger, eu dou minha palavra que em dezembro a gente renova o contrato". Então eu disse que não iria esperar, porque se acontecesse outra lesão grave comigo, eles não iriam renovar […] Então o contrato ou é agora ou eu vou embora, e ele disse: "Então vai embora", e eu falei: "tá bom". Fui para a minha casa, peguei meu talão de cheque e coloquei o valor de 150 mil reais (valor referente a multa rescisória para ambas as partes). No dia seguinte, cheguei, apresentei para o clube e fui embora. Foi triste, porque eu não queria ter ido embora do Grêmio. Não queria. Eu tinha criado uma identidade, uma coisa tão gostosa, estava apaixonado pela torcida, pelo clube e pela cidade, mas eu não poderia arriscar uma coisa (grave lesão no joelho) que tinha acabado de acontecer comigo.

Pelo Grêmio, Roger fez apenas 22 jogos e marcou 10 gols. Hoje é comentarista e apresentador nos canais Sportv.

Você pode assistir a entrevista completa clicando aqui.
 


Compre aqui a camisa do Grêmio
[leia]1[/leia]

Veja mais em Sem categoria.

Comentários